quarta-feira, 20 de agosto de 2014

INVISÍVEL, SAIU POR ALI ....

                               
                                          Eu particularmente nunca o vi de perto. Assim bem de pertinho. Mais estou a sofrer junto com quem é de sofrer. estou a agoniar-me, junto de quem é de sentir agonia. Estou a me injuriar, junto de quem é de se injuriar. Estou a me rebelar, junto e misturado com quem foi e sempre será de se rebelar.
Eu nunca o vi de perto. Sinto a tua agonia de perto. Sinto o teu sofrimento de perto. Sinto. Sinto. Sinto muito por tudo isso que lhe vem acontecendo. Nos sentimos inúteis diante de tanta desgraça alheia. Alheia ? A tal desgraça bate todos os dias a nossa porta. Já se tornou intima de todos nós.
Eles a té dizem a todos pulmões. Olha lá vai passando um camburão. Carroção. Dê o nome seu miserável que quiser. Pensa você que vou ligar. Não pense. Não vou. Minhas lágrimas secaram. Meu sorriso se fechou. Meus olhos trancaram-se num único ponto. Lá, lá no finito, só assim posso voltar a respirar como antes fazia todas as vezes que sonhava acordado. A desgraça alheia já não me emociona mais. Cansei de ser isso que você sempre pensou. Alias, você quer mesmo saber de uma coisa. Na moral ? Se tu morresse agora, eu nem ia bater a pestana. Vai-te daqui o quanto antes.

sexta-feira, 29 de novembro de 2013


ROTEIRO DE CAMINHOS GRIÔ - o filme

 A chuva havia passado.
Ele abriu a porta.
Saudou o dia.
Com seu copo de barro e água.
Retornou para dentro.                                                                                                                           Abriu a janela para ver como estava a cara do tempo.                                                                                     Olhou pro céu.                                                                                                                                   Mirou o horizonte.                                                                                                                                   Foi até a cozinha.                                                                                                                               Trouxe a gaiola do passarinho e a pendurou num prego na janela.                                                      Cantando a mesma música de sempre, se arrumou.
Vestiu a calça branca.
Amarrou o cordão de pano na cintura.
Calçou sua sandália de coro cru apoiando-se no banco.
Vestiu sua camisa de tecido cru.                                                                                                        Colocou o chapéu de palha.                                                                                                           Pendurou o alforje num lado.
Colocou dentro a muringa, o copo, o saco de tecido velho, o lenço velho e o cachimbo.                                 Enrolou a corda da porta num prendedor e saiu.                                                                                Queria aproveitar o tempo perdido com toda aquela chuva que havia caído.                                                        Costumava subir  o morro.                                                                                                                Cruzar o milharal,                                                                                                                       Atravessar o riacho e chegar a jaqueira antes das crianças.                                                                    Hoje resolveu seguir por um caminho mais longo, porem mais seguro sem correr o perigo de escorregar na lama do morro.                                                                                                                                            E ele chegou.                                                                                                                                 Conhecia o caminho do velho ancião.                                                                                           Aproximou-se.                                                                                                                                   Disse que queria companhia para a andança.                                                                                             E caminharam juntos.                                                                                                                                O velho falava.                                                                                                                                         Ele ouvia atento e não mudava o rumo da prosa.                                                                                         .O velho contava as novidades.                                                                                                                 Ele ouvia.                                                                                                                                                  O velho contava das alegrias.                                                                                                                   Ele ouvia.                                                                                                                                                 O velho contava das dificuldades, como as coisas estavam mudando.                                                           Ele ouvia tranqüilo como se tudo aquilo fosse comum.                                                                                 O velho lembrou-se da infância e quando ele corria por aquelas bandas.                                                     Ele sorriu.                                                                                                                                              Ele se lembrou da infância.                                                                                                                          O velho parou olhou o caminho.                                                                                                                 Ele disse que não havia perigo.                                                                                                                 O velho confiou.                                                                                                                                     Eles naquele momento pareciam que já eram velhos camaradas.                                                                     O velho sorriu.                                                                                                                                 Segurou num arbusto e seguiu em frente.                                                                                                Ele quis saber mais da vida do velho.
Um pouco mais a frente o velho apoiou-se em seu braço.
Ele o ajudou a se aprumar.                                                                                                                          O velho falou de tudo que conhecia de tudo que a velha memória ainda Le mostrava.                             Quando chegaram  a uma certa distancia, notaram que algumas bandeirolas coloridas                  tremulavam ao vento,                                                                                                                      Estavam presas e penduradas em  volta da velha arvore.                                                                                Só poderia ser invenção dos danados.
Apoiou-se nele.                                                                                                                                    Sentou num tronco de madeira como de costume.                                                                           Pendurou o alforje no galho de sempre.                                                                                               Bebeu o pouco da água da moringa que sempre trazia na bolsa.
Retirou de dentro do alforje um velho saquinho de pano que sempre trazia.                                            Soprou para que a a poeira saísse.
Abriu  o velho lenço entre os pés.
Sorriu.
Seus olhos brilharam e encheu-se de lágrimas.
O acompanhante quis saber o pouco do que ali estava registrado.
O velho passou então a lhe contar do que ali existia.
Algumas pedras coloridas.
O velho lhe contou a estória de cada uma delas.
A vermelha: aparecera em sua porta logo depois que um raio caiu sobre um pequeno arbusto e tudo pegou fogo.
A amarela: aparecera em sua porta logo quando começou uma forte chuva apagando o fogo e enchendo o pequeno açude.
A azul; aparecera em sua porta logo depois que o mar acalmou.
A branca; aparecera em sua porta logo depois que o céu ficou todo limpinho.
A transparente; aparecera em sua porta logo depois que o vento tornou tudo em volta em brisa.
A marrom; aparecera em sua porta quando a terra tornou-se pronta para a plantação.
A verde; aparecera em sua porta logo depois que um caçador deixara uma caça para servir de alimento.
Eles sorriram juntos.
Lá longe, uma meninada corria em direção a velha árvore.
Aproximaram-se do velho em grande algazarra.
Ele sorriu.
O acompanhante de jornada ali  já não se encontrava mais.
A criançada sentou-se em sua volta em forma de roda.
Ele acariciou a cabeça de cada uma delas.
Eram meninas e meninos.
Quase todos da mesma idade.
Todos da mesma etnia.
Cada uma lhe entregou o que trazia nas pequenas mãos.
Ele sorriu e agradeceu sabiamente.
Aquela era a boa hora de todo dia.
De se ouvir uma bela história.
Acompanhada de cantoria.
Depois da boa hora de todo dia.
Todas elas corriam para brincar.
Deixando o velho admirando o mar.
Ali ele ficava.
Até o resto do dia.
Aprendera com a natureza a não ter presa.
Não precisava mudar.
Pegou o cachimbo.
Pós o fumo e acendeu.
Pitou por várias vezes.
Aprendera com a natureza a não ter presa.

terça-feira, 8 de outubro de 2013



                    DEPOIS DA ESCADA...

                                  Você pode não conhecer o Bairro Antigo. Ele fica onde conta a história que aqueles que fizeram a Independência do estado, por aqui passaram, correram, lutaram, morreram e venceram.
                                   O bairro antigo é feito de ruas, vielas, becos, escadarias, largos, estreitos e tudo que você possa imaginar. Em geral é um encanto viver aqui. E se você tem com quem conversar sobre o passado, melhor ainda.
                                   Na subida da rua do céu para a meirelles, encontramos uma graciosa anciã. Sempre sentada no canto da varanda. Logo cedo, ela prefere tomar sol. Mais não dispensa uma boa prosa. Ai eu então me esbaldo. 
                                   Chego. Peço logo um copo com água.(afinal a escadaria é de morte). Me debruço sobre o muro da varanda e ai iniciamos o ritual de conversa.
                                    Sem presa, não temos hora para acabar.
                                    Sigo meu caminhar, feliz por mais um momento de aprendizado histórico.

Abraxé.
  

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

'' QUANDO VOCÊ PENSA QUE ...''


                                         " QUANDO VOCÊ PENSA QUE....''

                                        Não. Pensa não. Crer que já viu de tudo. Pronto. A porra vai ralo abaixo. E ai. É nessa hora que tudo pode mudar. Para bem ou para mau. Você fica para escolher depois.
                                        Sabemos muito bem que nem sempre as coisas acontecem como nós desejamos ou queremos. Sonhar então, nem pensar. Mesmo sabendo que quem sonha não envelhece. 
                                         Há hora pra tudo. Dizia minha vó. Até pra dizer, hoje é um daqueles dias. Ai sai de baixo.  Minha vó era sábia. Penso até que havia momentos que ela fingia não entender de nada, mais compreendia tudo.
                                         Quando eu me encontro nas rodas de conversas, volta e meia tenho que tocar no nome dela. Afinal foi com ela que aprendi a separar isso daquilo.
                                          Vovó sabia.


Abraxé.

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

                               '' GRIÔS de TOMÉ...''



                              "Eles vinham sem muita conversa, sem muito explicar, eu só sei que falavam, cheiravam...''.
                              Mais parecia profecia. Juro que foi só por puro acaso. Eu não sabia da tal reunião com a comunidade para discutir segurança pública.
                              Sei é claro, que como em qualquer localidade fora do centro, o "bicho tá pegando", lá não era diferente.
                              A roda já estava formada. Haviam marcado para as 08hs30. Começaram as 09hs.
                              Homens, mulheres, jovens e idosos. Eles e elas, vinham das mais variadas ruas, vielas etc.
                              Desafios e propostas de soluções, devidamente anotadas, terminamos com a propostas de continuarmos a roda de conversa em outro local, de preferência levada a cerveja. 
                              Como de praxe, nem todos(as) foram na mesma direção. Eu, por sorte ou azar (costumo crer que nada acontece por acaso), fui levado a reboque por um grupo de mais ou menos 8 cabras. Todos idosos.
                               Sentamos a sombra de uma enorme amendoeira. Sob ela, mesas, cadeiras e vários isopores. Ali começamos a contasão de histórias, estórias e causos. Saiu de tudo um pouco. Piadas, causos de trabalhos e acima de tudo, histórias de vida.
                               Aprendi, ensinei e o mais importante daquele domingo de sol ardente, tenho certeza que começamos novas amizades com velhos amigos de jornada.



A Sabedoria Popular nos ensina que, ouvir os mais velhos e os mais novos, é que aproxima novas experiências, e que tais novidades, lá na frente darão bons frutos.                                                    


Abraxé.                                                                                                                                                    

terça-feira, 21 de maio de 2013

OS PEQUENOS NÃO ESTÃO MAIS EM SILÊNCIO !

" Se lhe gritarem, atenda por favor.
Caso contrário, corre-se o risco de não adiantar nada tanto sacrifício. Certo?
Certíssimo.
É dessa forma que atendi ao chamado do Governo.
Há uma grande possibilidade de se instalar no Município de Simões Filho uma FM do Governo estadual.
A Outorga já está garantida pelo Governo Federal.

O IRDEB, então marca um Seminário: " Comunicação, Infância e Adolescência".                   No bojo, sub-temas que tem tudo a ver com a rapaziada das comunidades.

Ludicidade e Educação.           O Papel da Mídia na Formação do Jovem Cidadão.
Mídia, Juventude e Periferia.    Mídia, Criança e Adolescente.
Rádio, Criança e Adolescentes.    Empoderamento e Protagonismo Juvenil.
Comunicação e Educação              Mídia, Rádio e Educação.





Educadores, pesquisadores, Estudantes, Radialistas, Técnicos etc.
Claro, foi sentido a falta do público alvo.
Os futuros protagonistas da referida proposta.
Os Jovens e os Adolescentes.
Será de suma importância a participação deles.
Há quem diga até que sem eles não há a menor possibilidade da Rádio da certo.
Nós também. Acreditamos que ouvi-los fará toda a diferencia.
Nós entendemos que se eles abraçarem a luta, a coisa sai do papel para a prática.
Sendo num lugar que já foi descrito como o número 1 em Homicídios .                                               Irá chegar com certeza numa ótima hora.
Vamos aguardar com expectativa.
Pode ser que esteja nascendo ali uma bela iniciativa.


Abraxé.